Viajar gastando bem pouco em SP | Prainha Branca

Você já conhece a Prainha Branca? A Prainha é um pedacinho de paraíso localizado entre Bertioga e Guarujá que oferece paz, tranquilidade e um mar incrivelmente azul e bem preservado.

Nossa última viagem foi para lá e vamos compartilhar com vocês como chegar, onde ficar, onde comer, o que fazer, o que levamos na mochila e quanto gastamos.

Bom, vamos lá…

Como chegar

Há duas maneiras de chegar na Prainha Branca saindo de SP, uma delas é de carro e a outra é de trem/ônibus.

Já que não temos carro, fomos de trem e ônibus. Pegamos um trem da CPTM no Tatuapé em direção a Estudantes, a passagem custou R$4,40. As vezes, o trem para em Guaianazes e é necessário pegar outro que vá até Estudantes, nós tivemos sorte e o trem foi direto. Em Estudantes, descemos do trem e fomos para a rodoviária para comprar a passagem Mogi das Cruzes x Bertioga, onde pegamos o ônibus Piracicabana no valor de R$26,84. Aqui já foi metade do caminho, ufa! Ao chegar em Bertioga, é necessário andar 15 minutos até a balsa, em que a travessia de pedestres é gratuita. Depois, tivemos que pegar a trilha da Prainha, trilha de 30 minutos, leve/média mas é subida, então é recomendado levar uma garrafinha de água e subir sem pressa, no seu tempo. Por fim, 4h depois que saímos de casa, chegamos na maravilhosa Prainha Branca.

Para não pegar o trem você também tem a opção de pegar um ônibus no terminal Jabaquara sentido Bertioga e seguir todo o trajeto quando se chega lá, balsa e trilha, o valor do ônibus é de R$42,95.

De carro, você pode ir pelo Guarujá via Imigrantes e chegando lá pegar a Estrada de Pernambuco em direção a Bertioga. Atravessa a balsa de carro, o valor para automóveis no dia que fomos estava R$9,20 e para motos R$4,65, mas você também pode consultar os valores vigentes clicando aqui. Por fim, deixar o carro no estacionamento perto da trilha.
A outra opção é por Bertioga (via Imigrantes) deixar o carro em Bertioga em um dos estacionamentos próximos a balsa e atravessar como pedestre, mais recomendado para quem está com o dinheiro contado.

Onde ficar

Essa foi a segunda vez que fomos para a Prainha Branca, a primeira vez ficamos em um camping que fechou e agora ficamos no Camping Recanto do Lago. Pagamos o valor de R$40 pela diária do camping com chuveiros quentes e, supostamente, cozinha. Lá tem várias opções de camping e poucas de pousada, recomendamos realizar a reserva antes de ir, pois as pousadas esgotam rápido.

Algumas opções que vimos por lá:

  • Camping e pousada Pé na Areia – 4,4 estrelas no google | Contato: (13) 99775-0874
  • Camping Recanto do Lago – 4,4 estrelas no google | Contato: (13) 99726-8782
  • Camping Tabajara – 4,6 estrelas no google | Contato: (13) 99734-2798
  • Camping do Ari – 4,1 estrelas no google | Contato: (13) 99718-0284
  • Camping do Cantão – 4,5 estrelas no google | Contato: (13) 99612-2575
  • Camping São José – 4,4 estrelas no google | Contato: (13) 97416-0223

Escolhemos o Recanto do Lago pela cozinha e ao chegar lá descobrimos que estava fechada para evitar aglomeração, o que concordamos, mas não nos avisaram quando fizemos a reserva e levamos coisas para cozinhar durante toda nossa viagem, acabou estragando tudo e tivemos que gastar mais do que planejamos. No final das contas, armamos a barraca próximo a cozinha, já que ficaria fechada não teria barulho, correto? Não, pois eles abriram a cozinha para pessoas que estavam em grupo e que já haviam frequentado o camping antes. Tradução: Alguns puderam usar e outros não, o que nos deixou bem revoltados… Mas vida que segue. O atendimento do camping é bem mais ou menos, mas quanto a limpeza não temos o que falar, banheiros novos, extremamente limpos e os chuveiros eram ótimos.

Onde comer

No final das contas, acabamos tendo que sair do nosso planejamento e comprar comida. Recomendamos MUITO o restaurante Laricas, onde a comida é M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A com porções bem servidas e precinho bacana. O PF (prato feito) e a marmitex custam R$15 com várias opções de mistura, em que vem salada, batata-frita, arroz, feijão e proteína. Para vocês terem uma noção, um restaurante que passamos antes dele o valor do marmitex era R$29 (risos de desespero). Outro motivo de recomendarmos eles foram as medidas de segurança, estavam medindo a temperatura e entregando álcool em gel para todos os clientes, controlando o fluxo de pessoas dentro das mediações do bar, dando um bom distanciamento entre as mesas e proibindo o consumo após às 18h, liberando apenas o delivery, evitando assim a aglomeração. Nos sentimos muito seguros comendo lá.

Não vimos ambulantes vendendo comida na praia em nenhuma das vezes que fomos, mas tem barraquinhas vendendo cachorro-quente, batata-frita, cerveja e milho.

O que fazer

Além da praia que é linda, lá também tem um lago muito raso com a água quente, para crianças é perfeito. Se a maré estiver baixa, você também pode conhecer a ilha em frente ou então subir a trilha para a Prainha Preta. De lá também tem a opção continuar a trilha para a Praia de Camburi.
Além disso, dentro do restaurante Laricas você tem acesso a uma feirinha de artesanato, com coisinhas super fofas para levar de lembrança.

O que levamos na mochila

Nos preparamos para 3 dias, chegamos no sábado e fomos embora na segunda, e levamos na nossa mochila:

  • Barraca
  • Lona
  • Saco de dormir
  • Panela
  • Pote
  • 2 garfos
  • Copo
  • Coador e filtro
  • 2 garrafas de água
  • Fósforo
  • 2 tolhas e chinelos
  • Repelente
  • Protetor solar
  • Sabonete
  • Shampoo e condicionador
  • Escovas e pasta de dente
  • 2 kindle’s
  • Carregador portátil
  • Bolsa térmica
  • Toalha de mesa (não temos toalha de praia, usamos para estender na areia)
  • Documentos e dinheiro
  • Roupas
  • Papel higiênico e sacolas para lixo
  • Álcool em gel
  • Máscaras

Além das comidas, que foram:

  • Pão de forma
  • Presunto e queijo
  • Hambúrguer
  • Pão de hambúrguer
  • Miojos
  • Besteiras (chocolate, salgadinhos e cookie)
  • Cerveja
  • Café
  • Óleo

Quanto gastamos

Por fim, mas não menos importante (talvez até o mais importante), é o quanto gastamos. Nossa intenção era gastar apenas com a acomodação, passagens e as comidas que levamos, mas tivemos que desembolsar um pouco mais para a alimentação. Nossos gastos foram:

  • Acomodação (camping): R$160
  • Transporte: Trem R$17,60 + ônibus R$107,36 – Ida e volta
  • Comida: Mercado R$76,01 + R$144 gastos lá (cerveja, coxinha, batata fritas, refeição no Laricas, bolo e sorvete)

Valor total: R$504,97, sendo R$252,49 para cada (R$84,16 por dia).

Se tivéssemos cozinhado como pretendíamos, nossa viagem teria saído por R$180,50 para cada, R$60 por dia. Muito barato para uma viagem de 3 dias, não é?

E aí, gostou? Tem interesse de conhecer?

Conta pra gente também lugares que vocês gostariam de ver aqui no blog 😀

Nos vemos na estrada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *